sexta-feira, 29 de julho de 2016

FALA CIRO GOMES

Edição de entrevista dele pela Conversa Afiada. Acho que se prenderem o Lula, vai ser um tiro pela culatra.
Ciro: sou candidato
Como Cunha e Temer operavam os jabutis das medidas provisórias
publicado 28/07/2016

Conversa Afiada reproduz trechos da entrevista que Ciro Gomes deu a Mino Carta, no Facebook da Carta Capital.
Foi um relançamento do programa "Cartas na mesa", que Mino dirigiu e apresentou na TV Record - e que saiu do ar no glorioso período da “redemocratização”, por ordem do então ministro das Comunicações, Antônio Carlos Magalhães, que Tancredo escolheu e Sarney manteve:
- Eu sou candidato. Sou candidato a presidente do Brasil. Quero ser. Acredito que amadureci, tenho condição de servir ao país oferecendo uma alternativa de projeto ao país e, naturalmente, uma vivência com a experiência que eu já tenho. Eu sei que esse "querer forte" que eu tenho de ser presidente do Brasil não é suficiente. É preciso que a candidatura tenha alguma naturalidade, que ela seja recebida pela sociedade brasileira como útil à construção de um debate. Mas a minha vontade firme é de ser.
***
- Eu luto pelo dia em que nosso povo acorde, levante-se. E ainda tá em tempo. Não estamos defendendo o governo Dilma. Nós estamos defendendo o direito de nós, o povo, mandarmos no nosso destino.
***
- O PT tá paralisado. Tá meio catatônico, meio paralisado, porque você tem um lado que, infelizmente, chafurdou no pragmatismo irresponsável e corrupto. E esse lado se sente autorizado a isso, porque testemunhou a vida inteira o outro lado fazer. Só que ele nunca aprendeu duas coisas. Primeiro, que o outro lado fazia porque fazia parte do grande lado plutocrata brasileiro e era por ele protegido. (...) A turma do PT, de um certo momento, se imaginou sócia também. Foi um ledo engano. Porque o pecado do pecador, você desculpa, você perdoa. Mas o pecado do pregador, que passa o dia inteiro falando da moralidade, da lei, se oferecendo como vestal e exemplar... Esse é um lado. O outro, sofre o constrangimento da solidariedade com esse primeiro. Então eu imagino companheiros queridíssimos meus, gente séria (...) estão comendo o pão que o diabo amassou, envergonhados. Mas a saída não é essa catatonia. É ir à luta!
***
Mino: Digamos que Dilma volte à presidência. O que a espera de fato? A possibilidade de governar é remota...
Ciro: Não remota. Há uma aversão muito poderosa na medida que ela, no primeiro dia de governo, num presidencialismo altamente patológico como o nosso, ela não consegue juntar um terço dos deputados, ficou essa sensação de que ela não é capaz de governar. Mas o presidencialismo, que tem todos os seus defeitos, tem essa virtude: se ela volta, ela terá voltado porque a maioria do povo constrangeu o Senado Federal a recuar desta aventura golpista.
***
- Tenho três razões para não me entusiasmar com essa ideia do plebiscito. Embora compreenda a nobreza que é trazer o povo para resolver este colapso que a elite política brasileira está produzindo de forma absolutamente enojante. É simpático, é charmoso, mas quais são as três ideias? Uma, é objetiva (...) Eu sou um possível candidato? Como é que eu vou, agora, sendo interessado no assunto, defender que se antecipem eleições? Eticamente eu me sinto inibido de defender uma coisa que parece que atende ao meu interesse, ser candidato. Segundo, o que importa nestas questões de confusão é o apego à regra. O apego à regra não é irrelevante. Suponha que amanhã o brasileiro me escolha a ser o presidente. Portanto eu preciso da regra muito forte, muito respeitada, para eu encostar minhas costas e brigar só pela frente. E terceiro, vamos ao pragmatismo de quem conhece o ramo: para isso passar, teria que o congresso por dois terços, ainda fortemente influenciado pela picaretice do Eduardo Cunha. Isso não passa. (...)
***
- O que tá armado é que esse golpe não foi feito a favor do Michel Temer. Foi feito contra nós. Contra a Dilma. Contra o povo brasileiro. Contra o interesse nacional. Se o Michel Temer fracassar, como é provável, eles vão é cassar a chapa Temer-Dilma de dezembro pra frente, e vão fazer esse Congresso votar pela via indireta.
***
- Isso tudo está aí porque o que tá aí atende aos interesses da minoria organizada, ativa, informada, e nós outros somos o povo que só serve na véspera da eleição. Aqui está a chave: você tem que fazer duas ou três reformas só, convocar a sociedade diretamente para ajuizá-las através de coisas que estão previsas na constituição - plebiscitos e referendos, que são a prática moderna no mundo inteiro, e que a elite brasileira, para manter as coisas como estão, estigmatizou como chavismo.
***
- Agora, o monopólio das mediações midiáticas já não existe mais. Nós estamos falando aqui e, se eventualmente houver alguma coisa mais interessante, as pessoas vão replicar essa nossa conversa por todo o mundo. Ou seja, não estamos mais vulneráveis ao que a Dona Globo mandou dizer e engolimos à força. 
***
Sobre o Judiciário:
Mino: Não lhe caberia defender a lei? Ser uma espécie de sentinela da Constituição?
Ciro: Essa é a grande tarefa do Supremo, que é o guardião da Constituição. (...) Porém, eu o absolvo relativamente, porque eu não gosto da ideia de judicializar a política. Agora, é fato claro que, se se está cassando uma Presidenta da República sem o cometimento de crime de responsabilidade, claramente é tarefa do Supremo Tribunal Federal esclarecer isso. Nem que seja para afirmar que isso é crime de responsabilidade e mudar a orientação da lei. Mas hoje, é preciso não culpar ainda o Supremo, porque isso será apresentado ao Supremo se o Senado consumar esse desatino.
- Juiz bom não é juiz xerife. Juiz bom é o juiz severo, que fala nos autos, que sustenta suas decisões com base na lei interpretada de forma absolutamente clara e transparente, que obedece aos princípios gerais do Direito.
***
Mino: Quem manda mais: Cunha ou Temer?
Ciro: Cunha. Tá em declínio, decadência franca, o Temer já o está traindo, como é da natureza de um traidor - trai um, trai mil. Mas ele é homem do Cunha. Eu sei bastante bem o que tô lhe dizendo.
Mino: Me diga mais, então.
Ciro: Se quiserem, qualquer pessoa pegar na internet e procura, no período que eu fui deputado. Eu fui colega do Michel Temer, então presidente da Câmara, e colega - olha como eu me odeio, fui obrigado a chamar o Eduardo Cunha de Vossa Excelência, colega dele. Mas também chamei ele de ladrão a uma distância menor que essa. Fui processado por ele, sustentei na Justiça, porque eu sei que ele é, e hoje o Brasil inteiro tá sabendo, e ele usou o Michel Temer como testemunha dele, no processo. Não por acaso, o sócio dele. Mas eu também sei dele andando aqui em São Paulo com saco de dinheiro, os dois juntos, resolvendo problemas de políticos e etc. Essa equação basicamente funcionava, antigamente, assim: o Michel pegava uma Medida Provisória que o governo mandava - ele presidente da Câmara - entregava pro Eduardo Cunha relatar, Cunha pegava qualquer interesse dos lobbies plutocratas do Brasil, enxertava em assuntos absolutamente impertinentes uma emenda que atendia aos interesses desses grupos plutocratas, e recebia o dinheiro e distribuía pros colegas. (...) Eles chamam de jabuti, na Câmara. No Minha Casa Minha Vida, acho que foi, ele apresentou uma emenda - foi quando eu chamei ele de ladrão - criando um crédito retroativo de devolução do IPI-Exportação, com lobbista da FIESP andando lá dentro - eu apontei ele lá - equivalente a quase 80 bilhões de reais. Deve ter levado aí uns 500 mil ou 50 milhões, eu sei lá quanto. Embora tenha sido vetado depois, eu pressionei, fui à tribuna, esculhambei e tal. E ninguém liga. Mas depois ele foi se especializando. Aí ele foi replicar o que ele já tinha feito lá atrás, com Collor, em que ele teve a TELERJ no Rio e saiu debaixo de escândalo. Conseguiu do Lula, na chantagem - e isso eu não perdoo o Lula - dominar Furnas.
Mino: Mas por que chantagem?
Ciro: Chantagem porque forçou a mão. O Lula me disse. Eu disse pra ele, "Lula, esse cara é um bandido, cê não vai entregar Furnas pra ele que ele vai dominar a Câmara". Esse é o meu sofrimento. (...) Ele falou "não, não vou dar de jeito nenhum". No dia seguinte, nomeou. Nomeou o cara pra Furnas. Aí... Furnas distribuiu 60% da energia brasileira.
***
Mino: Mas o que ele tinha na mão?
Ciro: Não creio que no caso do Lula fosse uma denúncia, não. Agora, do que ele tem na cozinha pro Michel Temer, ele tem o Temer na mão. E ele sabe de 1500 coisas imundas do Michel Temer que o derrubariam. (...) No caso do Lula, acho que foi (...) apoio no Congresso.
***
Sobre Temer:
- Ele é uma grande mentira. (...) E ele é basicamente o representante desse lado fisiológico, clientelista e corrupto do PMDB. E o país precisa de uma coisa oposta. Parte da decepção do povo com Dilma é a frustração em função de escândalos. Ele vai responder pela decência? Só ver o Governo que ele montou, é uma quadrilha! Com exceções aí, o Meirelles não é da quadrilha, tem alguns que não são, mas o resto é quadrilha. (...) Mas se você olhar Moreira Franco, Romero Jucá, Eliseu Padilha, isso é gente de coisa muito ruim. Coisa muito ruim e velha, antiga, sabe? Manjada. Não é possível esperar daí nada se não escândalo, falta de austeridade e tal.
***
O Meirelles é, basicamente, um homem de banco. Boa pessoa, não o vejo numa categoria tão deplorável como o conjunto do Governo - a partir do próprio Temer.
***
Se a população não quer defender a Democracia em abstrato, venha defender o seu emprego, seu direito de ir pra casa depois de 8 horas de trabalho, de ser remunerado por hora extra, de receber licença-maternidade... Tudo isso pode ser revogado e você terá que trabalhar 12 horas por um salário menor.
***
Esse neoliberalismo mofado do Brasil quer repor a ideia do trabalho como uma commodity. 
***
Precisamos cobrar um tributo - que FHC revogou - sobre heranças e doações e um tributo sobre lucros e dividendos - o Brasil é o único país da OCDE que não tem.
***
O melhor é criar um mecanismo de financiamento de cooperativas de jornalistas, produtores culturais, mudar a lógica de distribuição da verba publicitária - para que ela não seja proporcional à audiência, mas crie estímulos à inovação, à rebeldia. Isso tudo eu sei fazer e funciona.
***

A propriedade cruzada de meios é uma perversão que o país precisa interromper.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

CARLOS LESSA SOBRE O BRASIL

Saudades de quando a gente trazia gente como Lessa, Roberto D'Araújo, Luis Pinguelli Rosa para palestrar e debater com a gente no IEE. Esta entrevista foi feita ao Conversa Afiada

Com o Dr Meirelles vai faltar goiabada!
Carlos Lessa: retomada? Só se for por "contingência divina"...

Conversa Afiada entrevistou, por telefone, nessa terça-feira 26/VII, o professor Carlos Lessa, presidente do BNDES entre janeiro de 2003 e novembro de 2004, no início do primeiro Governo Lula.
PHA: Professor, a atual presidente do BNDES, nesse Governo interino, Maria Sílvia Bastos Marques diz que o BNDES não será mais financiador de obras de infraestrutura, mas um indutor, um coordenador. Qual é a sua avaliação?
Prof. Carlos Lessa: Eu não entendo bem o que quer dizer “coordenador”. Porque um banco de desenvolvimento é um banco que tem um projeto para o país e se esse país tem falhas de infraestrutura, para avançar numa determinada direção, essas (obras) de infraestrutura são fundamentais para que o futuro venha a se configurar. Objetivamente, você não coordena. Das duas, uma: ou você fomenta e apoia, ou não tem absolutamente nenhum instrumento relevante para coordenar. E a ideia de que existe uma quantidade de agentes investidores à disposição para serem coordenados é uma ideia que, para mim, não parece ter conteúdo nenhum.
PHA: Um dos argumentos dela, professor, é de que existe, sim, muito investidor querendo entrar nesses projetos de infraestrutura, e o que falta é confiança, que esse governo interino poderia dar. O senhor concorda com essa avaliação?
Prof. Lessa: Não, não. Esse é um argumento político e muito pouco elaborado. O país está vivendo uma crise de investimento que não é de hoje - na verdade, a taxa de investimento da economia brasileira está de uma mediocridade enorme - há muito tempo. É muito antiga essa redução na taxa de investimento. Na verdade, a taxa de investimento brasileira em nenhum momento nos últimos 20 anos ultrapassou os 20% do Produto. Isso é muito pouco. A dificuldade que eu tenho é que existem palavras, palavras e palavras, mas o concreto não é explicitado. O concreto é saber o seguinte: qual é o projeto nacional brasileiro? Há algum projeto? Eu acho que não existe. Acho que não existe há muito tempo, não é de agora, não. Na verdade, estamos vivendo em um país que, na periferia do mundo, se dá ao luxo de não ter nenhum projeto para o seu futuro. Então, (investimento em) infraestrutura pode ser fundamental, pode ser perfeitamente justificável. Depende do que você espera que essa infraestrutura venha a despertar de investimentos derivados dela. Quando você investe em infraestrutura, das duas uma: ou você consegue uma resposta sequencial afirmativa, ou simplesmente a infraestrutura não representou nenhuma alavancagem para o amanhã. Cadê o amanhã que está sendo perseguido? Há muito tempo o debate brasileiro não dá nenhuma indicação clara e inequívoca de para onde o Brasil quer ir. Uma coisa que, no meu ponto de vista, foi lamentavelmente dito é que o Brasil apoiaria a globalização, sem conceituar absolutamente o que entendia por globalização e sem conceituar com clareza que diabo de apoio o Brasil buscaria na globalização. Porque vamos supor que o Brasil se colocasse a seguinte hipótese: exportar é a solução - e a taxa de exportações brasileiras é relevante. O que não foi relevante é o desempenho da economia, que continuou sendo bastante medíocre. Uma taxa muito elevada de crescimento num período de algumas décadas e ... nos últimos 25, 30 anos o Brasil não consegue recuperar o seu ritmo passado de desenvolvimento. O que o Brasil está vivendo é um aperto de dinamismo industrial. Não temos mais uma industrialização sinalizando e fazendo com que as decisões dos brasileiros sejam referenciadas num cenário em que mutuamente se apoiam. Se você pegar uma infraestrutura existente e vendê-la barato, talvez encontre compradores. Isso não é um projeto de desenvolvimento. A pergunta relevante é: por que compram? É muito simples: as infraestruturas que já estão instaladas e operam bem, se elas forem vendidas barato, podem representar um negócio interessante. Só isso. Não é uma retomada, nem a introdução de um futuro dentro dos horizontes brasileiros.
PHA: No plano do ministro interino Henrique Meirelles e no da própria Maria Sílvia, o BNDES terá que devolver à União, para fechar o compromisso do ajuste fiscal, aproximadamente R$ 100 bilhões. O que o senhor acha disso?
Prof. Lessa: Na verdade, o BNDES dispõe de uma quantidade muito expressiva de ativos. Se os vender muito baratos, talvez consiga vendê-los. Por exemplo: você está em São Paulo, que é o filé mignon, o melhor segmento do mercado energético brasileiro, sendo que existe uma empresa que é central nesse processo, que é a companhia elétrica de São Paulo, Eletropaulo. Essa empresa é hoje controlada, basicamente, por um investimento que é, de um lado, público, e de outro, pertence a um grupo americano. Eu não tenho dúvida de que se vender muito barato, o grupo americano compra. Aliás, o sonho deles é fazer isso. Mas, e daí? O que vai significar? O BNDES vai devolver para a União o que for resultado dessa venda? Por que ? E vai ser feito o quê com isso? Para o Dr. Meirelles pensar ... O que é que o Dr. Meirelles pensa em relação ao futuro brasileiro? Eu não sei, você não sabe, a torcida do Flamengo não sabe. Na verdade, ninguém sabe o que o Dr. Meirelles pretende para o Brasil.
PHA: Ele diz nos jornais de hoje - no Globo, por exemplo - que provavelmente não conseguirá fechar o compromisso do déficit primário...
Prof. Lessa: Tudo isso é muito engraçado. Nenhuma economia capitalista avança sem uma estrutura de crédito. Todas as economias capitalistas avançam se apoiando na emissão de dívidas. A dívida não é em si ruim, ela pode ser ruim. Na imensa maioria das vezes, ela pretende ser positiva e pode ser positiva. Na verdade, a ideia de limitar a capacidade de um país de dever é, simplesmente, escravizar esse país. Vamos fazer a seguinte combinação: suponha que você adote uma política que leva todas as pessoas a adiarem por um ano a compra de um novo automóvel. O que vai acontecer com o país? Quebra a indústria metal-mecânica. Quebra a siderurgia. Quebra em cadeia tudo, até a fabricação de goiabada que os operários desempregados não poderão comprar. Você vai fazer com que os brasileiros não comprem mais nada se endividando? Esse é o projeto do Dr. Henrique Meirelles? Não. O que pretende é impedir que o Governo Federal desenhe um futuro para o país. Isso ele impede, com essa decisão que toma. Você acha que se um país não investir em infraestrutura urbana as cidades vão prosperar? A partir da decisão do Dr. Henrique de que se o país se endividar é ruim, ele deveria, também, recomendar que todas as empresas não se endividem. Mas, se todas as empresas não se endividarem, para onde vai o país? Para um buraco colossal! Nenhuma economia capitalista se sustenta sem que cadeias de débito e crédito virem os protagonistas, sem que haja uma fronteira de expansão para a economia. Qual é a expansão para a Economia que o Dr. Meirelles quer ? Eu não sei e ninguém pergunta a ele! Estamos indo para lugar nenhum e ninguém se preocupa ? Vamos resolver como ? Não indo a lugar nenhum ? Confesso que não consigo entender o Dr. Meirelles e eu não entendo o debate brasileiro atual. É possível que as pessoas resolvam essa questão do debate dizendo coisas de conteúdo muito discutível e enigmático.
PHA: Uma última questão: os jornais, especialmente os jornais alinhados com a Globo e seus diversos subprodutos, tentam estabelecer o princípio de que a recuperação econômica já se sente, já está à vista de todos, exatamente por causa dessa recuperação da confiança. O senhor está vendo essa recuperação da economia?

Prof. Lessa: Não, eu não estou vendo. Eu tenho percebido que o ritmo da atrofia econômica diminuiu - quer dizer, a taxa de perda de substância diminuiu. Porém, não consigo perceber ainda sinais de confiança. Se eles vierem a surgir, surgirão por atos de transigência divina, porque... deixa eu te dizer uma última coisa: a inflação. Veja bem: para quem tem emprego, (a inflação) é algo que reduz o poder de compra de quem não mantém o rendimento, mesmo trabalhando. Agora, para quem está desempregado, a inflação é infinitas vezes colossal, sempre, porque o desemprego é não receber nada. Não recebendo nada, a pessoa está, literalmente, contra a parede. Então, qualquer proposta para enfrentar a situação brasileira deveria partir dessa coisa absolutamente elementar: os brasileiros têm que ter direito a emprego. Como se propõe que o Brasil ascenda no mundo, se há fome no país? Como é que se propõe a um país cortar seus investimentos públicos quando existem lacunas óbvias em relação ao futuro? Como se pretende empurrar uma economia fazendo com que as pessoas tenham medo do amanhã? O grave não é o hoje, o muito grave é o amanhã não prometer nada em relação ao hoje. Há alguma promessa no ar? Não percebo. E acho que não há cobrança...

quinta-feira, 14 de julho de 2016

PETROBRAS

Entrevista de Gilberto Bercovici publicado no site Brasil do Mundo e no Conversa Afiada. Coloca as questões de corrupção e do valor no devido lugar. Contra o capitalismo financeiro e sua ideologia neoliberal. A UFABC é cada vez mais.


TCU na contramão do desenvolvimento nacional
Entrevista com Gilberto Bercovici
| 05/07/2016

No final do mês de junho, o Tribunal de Contas da União (TCU) fez uma auditoria e concluiu que a política de conteúdo local é danosa à Petrobras. Segundo o Tribunal, esta política é ideológica e faz da empresa vítima dos custos mais elevados e da demora na entrega dos equipamentos nacionais. A conjuntura nacional e, especialmente, o envolvimento de grandes empreiteiras na Operação Lava-Jato pressionam ainda mais para que argumentos como estes do TCU sejam mais evidenciados, pois as obras ficam ainda mais instáveis e têm os prazos comprometidos. Contudo, o professor titular de Direito Econômico da Universidade de São Paulo (USP), Gilberto Bercovici, rebateu as conclusões do TCU em entrevista à AMERI.
De acordo com o professor, até podem ocorrer certas situações em que o preço é mais alto e as entregas atrasam, pois o setor se encontra em fase de maturação e consolidação. Para Bercovici, a discussão central reside na pergunta: para que o Brasil está disposto a explorar o petróleo? Para criar empregos e gerar impostos no Brasil ou no exterior?

A Petrobras é responsável pela dinâmica de cerca de 15% de toda a atividade econômica do país a partir do setor de óleo e gás. Isto ocorre, entre outras coisas, por conta da política de conteúdo local. O que o senhor tem a dizer sobre a recente conclusão do TCU de que a política de conteúdo local é danosa tanto para o país quanto para a Petrobras?
O TCU é um órgão incompetente que não tem a mínima noção do que é uma política industrial, não sabe o que é uma política de desenvolvimento. O que o TCU sabe fazer é planilha (e nem isso eu sei se eles sabem fazer direito, haja vista a lambança que eles estão fazendo com esta história do impeachment).
Este argumento é absolutamente pueril. Primeiro porque é lógico que a política de conteúdo local é mais cara, pois se não custasse mais, não seria necessária esta política. Se você quer estimular a indústria brasileira, sendo ela mais cara que a indústria internacional, obviamente você vai ter que criar mais condicionantes de compra, de conteúdo obrigatoriamente nacional para estimular e desenvolver o setor.
Segundo, demora mais? Depende da capacidade instalada, da capacidade de fornecimento. Quando não se tem esta indústria totalmente instalada no país, como é o caso, que ela está se instalando, é óbvio que vai demorar mais, que vai ter mais dificuldades, mais atraso. No entanto isso não quer dizer que seja irrelevante, eles (o TCU) simplesmente olharam para as planilhas e fizeram uma conclusão errada.
Mas então porque defender a política de conteúdo local?
O que está em jogo com a política de conteúdo local é a capacidade do Brasil ser industrialmente forte e autossuficiente. Do contrário, a demanda brasileira criará emprego e gerará impostos na Itália ou Coreia do Sul, por exemplo, que vão lucrar exportando serviços e máquinas para a exploração e produção de energia no Brasil. Dizer que a política de conteúdo local é danosa ao país é um grande erro. Com ela o Brasil estimula e desenvolve as suas próprias capacidades de sustentar as demandas do setor sem ter que importar máquinas e equipamentos, produzindo-os nacionalmente, gerando emprego e impostos no Brasil, isto é, aumentando a geração de riquezas internamente e não em outros países.
Por que o projeto de lei do senador Serra (PLS 131/2015), costurado com o governo federal, que estabelece que a Petrobras tem preferência para dizer se quer ou não ser operadora única nos campos do Pré-Sal acaba sendo o mesmo que aceitar o projeto original, o qual somente retirava a obrigatoriedade da Petrobras, sem prever a preferência da empresa? Este projeto não aliviaria a empresa de tantos compromissos financeiros que ela não está em condições de sustentar?
Porque com a atual presidência da Petrobras, a empresa nunca vai se posicionar pela preferência da operação, o que vai ocorrer é que a Petrobras vai começar a abrir mão disto e deixar com que as empresas internacionais tomem conta do nosso petróleo.
É sempre bom lembrar que a Petrobras foi construída com o dinheiro do Tesouro, este é o limite dela, este é o lastro da empresa, o próprio Tesouro Nacional, daí a confiança que vários fundos de pensão e acionistas têm com as ações da Petrobrás. A empresa estatal tem a retaguarda dos recursos do Estado para cumprir seus acordos e compromissos financeiros.
O que ocorre é que povo está assistindo “bestializado” a entrega da Petrobras para poucas pessoas, que nada têm de defensores dos interesses nacionais, são compromissadas consigo mesmas, fazendo da Petrobras um grande balcão de negócios para irrigar suas contas pessoais e sustentar o capital eleitoral de seus padrinhos políticos.
Mas a empresa não passa por sérios problemas de corrupção? Lembrando que em abril de 2015 a Petrobras chegou a considerar mais de R$ 6 bilhões em perdas contábeis por conta dos desvios ocorridos.
Em toda empresa tem corrupção, seja ela pública ou privada. O que ocorreu com a Petrobras foi que estabeleceram um método muito bem organizado para desviar os recursos. Os contratos eram superfaturados dentro de um limite que era aceitável pelo próprio negócio, a quantia desviada estava dentro da margem que cada contrato aceitava de sobrepreço. Por exemplo, a contratação de um determinado serviço que fosse orçado entre R$ 100 milhões e R$ 105 milhões, era fechado por R$ 102 milhões. Sendo R$ 100 milhões para a execução do serviço e os outros R$ 2 milhões eram desviados, ou seja, 2% de todo o contrato. Por isso que a própria PriceWater não conseguia detectar as fraudes, porque em termos percentuais o roubo era pequeno e passava batido pela auditoria por estar dentro da margem de negociação do próprio contrato. Em cada contrato era estabelecida uma margem diferente para ser desviada e isto fez com que não fosse possível determinar a real quantia que a empresa perdeu com corrupção.
A partir disso a PriceWater se recusou a assinar a auditoria das contas da empresa. Aí veio a então presidenta Graça Foster fazendo um verdadeiro estelionato contábil, considerando que todos os contratos que a empresa celebrou no período foram superfaturados em 3%, dando então em R$ 6 bilhões de perdas para a Petrobras. Isto é um absurdo! É uma arbitrariedade! Como eu disse, não se sabe quais são os percentuais de corrupção dos contratos e também não se sabe se todos os contratos foram superfaturados. E mesmo assim, por mais que R$ 6 bilhões seja muito dinheiro, para uma empresa do porte da Petrobras esta quantia está longe de ser alvo de grandes preocupações, muito menos ser argumento para alguns dizerem que a corrupção faliu a empresa.
Outro argumento recorrente é que o petróleo está se tornando um recurso obsoleto e em breve será ultrapassado pelas novas fontes de energia, portanto seria inteligente abrir o setor para o capital internacional explorar o petróleo o quanto antes.
Ouvi de um parlamentar, agora no dia 26 de abril que estive numa audiência pública em Brasília, que o petróleo está se esgotando e é uma espécie de “mico” para o Brasil. Aí eu digo: ainda bem que temos muitos amigos, como a Shell, a Chevron, que vão nos ajudar e pegar pra si este “mico”. Como são bondosas estas empresas, não?
No fundo, a discussão que está em pauta é a seguinte: Para que petróleo? É para estimular e desenvolver a economia nacional, gerando emprego e renda no Brasil? Ou todo este petróleo é para ser exportado pelas multinacionais, que remetem seus lucros para as matrizes sem nenhum compromisso com o desenvolvimento brasileiro?


Giovani del Prete é bacharel em Ciências e Humanidades e graduando em Relações Internacionais pela Universidade Federal do ABC (UFABC). Faz parte do grupo de estudos “Geopolítica da Energia” (UFABC) e é coordenador-geral do Centro Acadêmico de Relações Internacionais (UFABC).

NESTES DIAS, DE REGIME DE GOLPE

É bom lembrar o papel da mídia em mentir e emburrecer seus pacientes. Veja esta matéria de quase dois anos atrás, do Viomundo, para lembrar que notícias sobre a Petrobras também são plantadas por eles lá dos Estados Unidos. O nome do jornalista é Udo Ulfkotte. O vídeo desta entrevista, dada ao Russia Today, está aqui. Já contei neste blog que um amigo em quem eu confiava me usou para tentar influenciar um alto funcionário do governo em Brasília contra o programa nuclear brasileiro com o submarino nuclear e muitos anos depois me confessou que trabalhara para a USAID (braço da CIA).


Jornalista alemão denuncia controle da CIA sobre a mídia
25 de novembro de 2014 às 15h49
  

Tradução parcial da entrevista reproduzida em vídeo abaixo
Sou jornalista há 25 anos, e fui criado para mentir, trair, e não dizer a verdade ao público. Mas vendo agora, e nos últimos meses, o quanto … como alemão a mídia dos EUA tentar trazer a guerra para os europeus, para trazer a guerra à Rússia. Este é um ponto de não retorno, e eu vou me levantar e dizer … que o que eu fiz no passado, não é correto, manipular as pessoas, para fazer propaganda contra a Rússia e o que os meus colegas fizeram no passado, porque eles são subornados para trair o povo, não só na Alemanha, mas de toda a Europa.
A razão para este livro é que estou muito preocupado com uma nova guerra na Europa, e eu não quero de novo a situação, porque a guerra nunca vem de si mesmo, há sempre pessoas atrás que levam à guerra, e não é só políticos, jornalistas também.
Eu só escrevi no livro (Gekaufte Jornalisten, jornalistas comprados, Nota do cascarpi) sobre como traímos no passado nossos leitores apenas para empurrar para a guerra, e porque eu não quero isso, eu estou cansado dessa propaganda. Nós vivemos em uma república de bananas, não é um país democrático, onde teríamos a liberdade de imprensa, direitos humanos.
[…]
Se você olhar para a mídia alemã, especialmente os meus colegas que, dia após dia, escrevem contra os russos, que estão em organizações transatlânticas, que são apoiados pelos Estados Unidos para fazer isso, pessoas como eu. Eu me tornei um cidadão honorário do Estado de Oklahoma. Por que exatamente? Só porque eu escrevia pró-Estados Unidos. Eu escrevia pro-Estados Unidos e fui apoiado pela Agência Central de Inteligência, a CIA. Por quê? Porque eu tinha que ser pró-americano.
Estou cansado disso. Eu não quero! E assim que eu acabei de escrever o livro — não para ganhar dinheiro, não, ele vai me custar um monte de problemas — só para dar às pessoas, neste país, a Alemanha, na Europa e em todo o mundo, apenas para dar-lhes um vislumbre do que se passa por trás das portas fechadas.
[…]
Sim, existem muitos exemplos disso: se você voltar na história, em 1988, se você for ao seu arquivo, você encontrará em março de 1988 que os curdos do Iraque foram atacados com gás tóxico, o que se tornou conhecido em todo o mundo. Mas em julho de 1988, eles [o jornal alemão] me mandaram para uma cidade chamada Zubadat, que fica na fronteira entre Iraque e Irã.
Foi na guerra entre iranianos e iraquianos, e eu fui enviado para lá para fotografar como os iranianos tinham sido atacados com gases venenosos, gás venenoso alemão. Sarin, gás mostarda, fabricado pela Alemanha. Eles foram mortos e eu estava lá para tirar fotos de como essas pessoas foram atacadas com gás venenoso da Alemanha. Quando voltei para a Alemanha, só saiu uma pequena foto no jornal, o Frankfurter Allgemeine, e saiu apenas uma pequena seção sem descrever como era impressionante, brutal, desumano e terrível, matar … matar, décadas após a Segunda Guerra Mundial, o povo com gás venenoso alemão.
Foi uma situação em que eu me senti abusado por estar lá apenas para fazer um documentário sobre o que tinha acontecido, mas não estar autorizado a revelar ao mundo o que tínhamos feito atrás das portas fechadas. Até hoje, não é bem conhecido do público alemão que havia gás alemão, houve centenas de milhares de pessoas atingidas nesta cidade de Zubadat.
Agora, você me perguntou o que eu fiz para as agências de inteligência. Então, por favor, entenda que a maioria dos jornalistas que você vê em outros países afirmam ser jornalistas, e eles poderiam ser jornalistas, jornalistas europeus ou americanos … mas muitos deles, como eu no passado, são supostamente chamado de “informantes não-oficiais”.
É assim que os americanos chamam. Eu era um “informante não-oficial”. A cobertura extra-oficial, o que isso significa?
Isso significa que você trabalha para uma agência de inteligência, você os ajuda se eles querem que você para ajude, mas nunca, nunca […] quando você for pego, se descobrem que você não é só um jornalista, mas também um espião, eles nunca dirão “era um dos nossos.”
Isso é o que significa uma cobertura extra-oficial. Então, eu ajudei-os várias vezes, e agora eu me sinto envergonhado por isso também. Da mesma forma que eu sinto vergonha de ter trabalhado para jornais como o Frankfurter Allgemeine, porque eu fui subornado por bilionários, subornado pelos norte-americanos para não refletir com precisão a verdade .
[…]
Eu só imaginava, quando eu estava no meu carro para vir a esta entrevista, tentei perguntar o que teria acontecido se eu tivesse escrito um artigo pró-russo no Frankfurter Allgemeine. Bem, eu não sei o que teria acontecido. Mas todos nós fomos ensinados a escrever artigos pró-europeus, pró-americanos, mas por favor não pró-russos. Portanto, estou muito triste por isso …. Mas não é assim que eu entendo a democracia, a liberdade de imprensa, e eu realmente sinto muito por isso.
[…]
Sim, eu entendi a pergunta. A Alemanha ainda é uma espécie de colônia dos EUA, você verá em muitos aspectos; como [o fato de que] a maioria dos alemães não querem ter armas nucleares em nosso país, mas ainda temos armas nucleares americanas.
Então, sim, nós ainda somos uma espécie de colônia americana e, por ser uma colônia, é muito fácil de se aproximar de jovens jornalistas através de (e isso é muito importante) organizações transatlânticas.
Todos os jornalistas de jornais alemães altamente respeitados e recomendados, revistas, estações de rádio, canais de TV, são todos membros ou convidados destas grandes organizações transatlânticas. E nestas organizações transatlânticas, você é abordado por ser pró-americano. Não há ninguém que vem a você e diz: “Nós somos a CIA. Gostaria de trabalhar para nós? “. Não! Esta não é a maneira que acontece.
O que essas organizações transatlânticas fazem é convidá-lo para ver os Estados Unidos, pagam por isso, pagam todas as suas despesas, tudo. Assim, você é subornado, você se torna mais e mais corrupto, porque eles fazem de você um bom contato. Então, você não vai saber que esses bons contatos, digamos, não-oficiais, são de pessoas que trabalham para a CIA ou outras agências dos EUA.
Então, você faz amigos, você acha que você é amigo e você vai cooperar com eles. E se perguntam: “Você poderia me fazer um favor?”. Em seguida, seu cérebro passa por uma lavagem cerebral. A pergunta: é apenas o caso com jornalistas alemães? Não! Eu acho que este é particularmente o caso com jornalistas britânicos, porque eles têm uma relação muito mais próxima. Também é particularmente o caso com jornalistas israelenses. É claro que com jornalistas franceses, mas não tanto como com os jornalistas alemães ou britânicos.
Este é o caso para os australianos, os jornalistas da Nova Zelândia, de Taiwan e de muitos países. Os países do mundo árabe, como a Jordânia, por exemplo, como Omã. Há muitos países onde você encontra pessoas que se dizem jornalistas respeitáveis, mas se você olhar para trás, você vai descobrir que eles são fantoches manipulados pela CIA.
[…]
Desculpe-me por interrompê-lo, dou-lhe um exemplo. Às vezes, as agências de inteligência vêm para o seu escritório e sugerem que você escreva um artigo. Dou-lhe um exemplo, não de um jornalista estranho, mas de mim mesmo. Eu só esqueci o ano. Só me lembro que o serviço de inteligência alemão no exterior, o Serviço Federal de Inteligência da Alemanha (isto é apenas uma organização irmã da Agência Central de Inteligência) veio ao meu escritório Frankfurter Allgemeine em Frankfurt. Eles queriam que eu escrevesse um artigo sobre a Líbia e o coronel Kadafi. Eu não tinha absolutamente nenhuma informação secreta sobre Kadafi e Líbia. Mas eles me deram toda a informação em segredo, só queriam que eu assinasse o meu nome.
Eu fiz isso. Mas foi um artigo que foi publicado no Frankfurter Allgemeine, que originalmente veio do Serviço Federal de Inteligência da Alemanha, a agência de inteligência no exterior. Então, você realmente acha que isso é jornalismo? As agências de inteligência escreverem artigos?
[…]
Oh sim. Este artigo é parcialmente reproduzida no meu livro, este artigo foi “Como a Líbia e o coronel Kadafi secretamente tentam construir uma usina de gás tóxico em Rabta”. Acho que foi Rabta, sim. E eu tenho toda essa informação… foi uma história que foi impressa em todo o mundo, alguns dias depois. Mas eu não tinha nenhuma informação sobre o assunto e  foi a agência de inteligência que me sugeriu escrever o artigo. Então isso não é como o jornalismo deve funcionar, as agências de inteligência decidirem o que é publicado ou não.
[…]
Eu tive uma, duas, três … seis vezes a minha casa foi revistada, porque eu tenho sido acusado pelo procurador-geral alemão pela divulgação de segredos de Estado. Seis vezes invadiram a minha casa! Bem, eles esperavam que eu nunca iria me recuperar. Mas eu acho que é pior, porque a verdade virá à tona um dia. A verdade não vai morrer. E eu não me importo com o que acontecer. Eu tive três ataques cardíacos, não tenho filhos. Então, se eles querem me processar ou me jogar na cadeia… é pior para a verdade.
PS do Viomundo: Quem serão as fontes não oficiais da CIA no Brasil?



NESTES DIAS, DE REGIME DE GOLPE

É bom lembrar o papel da mídia em mentir e emburrecer seus pacientes. Veja esta matéria de quase dois anos atrás, do Viomundo, para lembrar que notícias sobre a Petrobras também são plantadas por eles lá dos Estados Unidos. O nome do jornalista é Udo Ulfkotte. O vídeo desta entrevista, dada ao Russia Today, está aqui. Já contei neste blog que um amigo em quem eu confiava me usou para tentar influenciar um alto funcionário do governo em Brasília contra o programa nuclear brasileiro com o submarino nuclear e muitos anos depois me confessou que trabalhara para a USAID (braço da CIA).


Jornalista alemão denuncia controle da CIA sobre a mídia
25 de novembro de 2014 às 15h49
  

Tradução parcial da entrevista reproduzida em vídeo abaixo
Sou jornalista há 25 anos, e fui criado para mentir, trair, e não dizer a verdade ao público. Mas vendo agora, e nos últimos meses, o quanto … como alemão a mídia dos EUA tentar trazer a guerra para os europeus, para trazer a guerra à Rússia. Este é um ponto de não retorno, e eu vou me levantar e dizer … que o que eu fiz no passado, não é correto, manipular as pessoas, para fazer propaganda contra a Rússia e o que os meus colegas fizeram no passado, porque eles são subornados para trair o povo, não só na Alemanha, mas de toda a Europa.
A razão para este livro é que estou muito preocupado com uma nova guerra na Europa, e eu não quero de novo a situação, porque a guerra nunca vem de si mesmo, há sempre pessoas atrás que levam à guerra, e não é só políticos, jornalistas também.
Eu só escrevi no livro (Gekaufte Jornalisten, jornalistas comprados, Nota do cascarpi) sobre como traímos no passado nossos leitores apenas para empurrar para a guerra, e porque eu não quero isso, eu estou cansado dessa propaganda. Nós vivemos em uma república de bananas, não é um país democrático, onde teríamos a liberdade de imprensa, direitos humanos.
[…]
Se você olhar para a mídia alemã, especialmente os meus colegas que, dia após dia, escrevem contra os russos, que estão em organizações transatlânticas, que são apoiados pelos Estados Unidos para fazer isso, pessoas como eu. Eu me tornei um cidadão honorário do Estado de Oklahoma. Por que exatamente? Só porque eu escrevia pró-Estados Unidos. Eu escrevia pro-Estados Unidos e fui apoiado pela Agência Central de Inteligência, a CIA. Por quê? Porque eu tinha que ser pró-americano.
Estou cansado disso. Eu não quero! E assim que eu acabei de escrever o livro — não para ganhar dinheiro, não, ele vai me custar um monte de problemas — só para dar às pessoas, neste país, a Alemanha, na Europa e em todo o mundo, apenas para dar-lhes um vislumbre do que se passa por trás das portas fechadas.
[…]
Sim, existem muitos exemplos disso: se você voltar na história, em 1988, se você for ao seu arquivo, você encontrará em março de 1988 que os curdos do Iraque foram atacados com gás tóxico, o que se tornou conhecido em todo o mundo. Mas em julho de 1988, eles [o jornal alemão] me mandaram para uma cidade chamada Zubadat, que fica na fronteira entre Iraque e Irã.
Foi na guerra entre iranianos e iraquianos, e eu fui enviado para lá para fotografar como os iranianos tinham sido atacados com gases venenosos, gás venenoso alemão. Sarin, gás mostarda, fabricado pela Alemanha. Eles foram mortos e eu estava lá para tirar fotos de como essas pessoas foram atacadas com gás venenoso da Alemanha. Quando voltei para a Alemanha, só saiu uma pequena foto no jornal, o Frankfurter Allgemeine, e saiu apenas uma pequena seção sem descrever como era impressionante, brutal, desumano e terrível, matar … matar, décadas após a Segunda Guerra Mundial, o povo com gás venenoso alemão.
Foi uma situação em que eu me senti abusado por estar lá apenas para fazer um documentário sobre o que tinha acontecido, mas não estar autorizado a revelar ao mundo o que tínhamos feito atrás das portas fechadas. Até hoje, não é bem conhecido do público alemão que havia gás alemão, houve centenas de milhares de pessoas atingidas nesta cidade de Zubadat.
Agora, você me perguntou o que eu fiz para as agências de inteligência. Então, por favor, entenda que a maioria dos jornalistas que você vê em outros países afirmam ser jornalistas, e eles poderiam ser jornalistas, jornalistas europeus ou americanos … mas muitos deles, como eu no passado, são supostamente chamado de “informantes não-oficiais”.
É assim que os americanos chamam. Eu era um “informante não-oficial”. A cobertura extra-oficial, o que isso significa?
Isso significa que você trabalha para uma agência de inteligência, você os ajuda se eles querem que você para ajude, mas nunca, nunca […] quando você for pego, se descobrem que você não é só um jornalista, mas também um espião, eles nunca dirão “era um dos nossos.”
Isso é o que significa uma cobertura extra-oficial. Então, eu ajudei-os várias vezes, e agora eu me sinto envergonhado por isso também. Da mesma forma que eu sinto vergonha de ter trabalhado para jornais como o Frankfurter Allgemeine, porque eu fui subornado por bilionários, subornado pelos norte-americanos para não refletir com precisão a verdade .
[…]
Eu só imaginava, quando eu estava no meu carro para vir a esta entrevista, tentei perguntar o que teria acontecido se eu tivesse escrito um artigo pró-russo no Frankfurter Allgemeine. Bem, eu não sei o que teria acontecido. Mas todos nós fomos ensinados a escrever artigos pró-europeus, pró-americanos, mas por favor não pró-russos. Portanto, estou muito triste por isso …. Mas não é assim que eu entendo a democracia, a liberdade de imprensa, e eu realmente sinto muito por isso.
[…]
Sim, eu entendi a pergunta. A Alemanha ainda é uma espécie de colônia dos EUA, você verá em muitos aspectos; como [o fato de que] a maioria dos alemães não querem ter armas nucleares em nosso país, mas ainda temos armas nucleares americanas.
Então, sim, nós ainda somos uma espécie de colônia americana e, por ser uma colônia, é muito fácil de se aproximar de jovens jornalistas através de (e isso é muito importante) organizações transatlânticas.
Todos os jornalistas de jornais alemães altamente respeitados e recomendados, revistas, estações de rádio, canais de TV, são todos membros ou convidados destas grandes organizações transatlânticas. E nestas organizações transatlânticas, você é abordado por ser pró-americano. Não há ninguém que vem a você e diz: “Nós somos a CIA. Gostaria de trabalhar para nós? “. Não! Esta não é a maneira que acontece.
O que essas organizações transatlânticas fazem é convidá-lo para ver os Estados Unidos, pagam por isso, pagam todas as suas despesas, tudo. Assim, você é subornado, você se torna mais e mais corrupto, porque eles fazem de você um bom contato. Então, você não vai saber que esses bons contatos, digamos, não-oficiais, são de pessoas que trabalham para a CIA ou outras agências dos EUA.
Então, você faz amigos, você acha que você é amigo e você vai cooperar com eles. E se perguntam: “Você poderia me fazer um favor?”. Em seguida, seu cérebro passa por uma lavagem cerebral. A pergunta: é apenas o caso com jornalistas alemães? Não! Eu acho que este é particularmente o caso com jornalistas britânicos, porque eles têm uma relação muito mais próxima. Também é particularmente o caso com jornalistas israelenses. É claro que com jornalistas franceses, mas não tanto como com os jornalistas alemães ou britânicos.
Este é o caso para os australianos, os jornalistas da Nova Zelândia, de Taiwan e de muitos países. Os países do mundo árabe, como a Jordânia, por exemplo, como Omã. Há muitos países onde você encontra pessoas que se dizem jornalistas respeitáveis, mas se você olhar para trás, você vai descobrir que eles são fantoches manipulados pela CIA.
[…]
Desculpe-me por interrompê-lo, dou-lhe um exemplo. Às vezes, as agências de inteligência vêm para o seu escritório e sugerem que você escreva um artigo. Dou-lhe um exemplo, não de um jornalista estranho, mas de mim mesmo. Eu só esqueci o ano. Só me lembro que o serviço de inteligência alemão no exterior, o Serviço Federal de Inteligência da Alemanha (isto é apenas uma organização irmã da Agência Central de Inteligência) veio ao meu escritório Frankfurter Allgemeine em Frankfurt. Eles queriam que eu escrevesse um artigo sobre a Líbia e o coronel Kadafi. Eu não tinha absolutamente nenhuma informação secreta sobre Kadafi e Líbia. Mas eles me deram toda a informação em segredo, só queriam que eu assinasse o meu nome.
Eu fiz isso. Mas foi um artigo que foi publicado no Frankfurter Allgemeine, que originalmente veio do Serviço Federal de Inteligência da Alemanha, a agência de inteligência no exterior. Então, você realmente acha que isso é jornalismo? As agências de inteligência escreverem artigos?
[…]
Oh sim. Este artigo é parcialmente reproduzida no meu livro, este artigo foi “Como a Líbia e o coronel Kadafi secretamente tentam construir uma usina de gás tóxico em Rabta”. Acho que foi Rabta, sim. E eu tenho toda essa informação… foi uma história que foi impressa em todo o mundo, alguns dias depois. Mas eu não tinha nenhuma informação sobre o assunto e  foi a agência de inteligência que me sugeriu escrever o artigo. Então isso não é como o jornalismo deve funcionar, as agências de inteligência decidirem o que é publicado ou não.
[…]
Eu tive uma, duas, três … seis vezes a minha casa foi revistada, porque eu tenho sido acusado pelo procurador-geral alemão pela divulgação de segredos de Estado. Seis vezes invadiram a minha casa! Bem, eles esperavam que eu nunca iria me recuperar. Mas eu acho que é pior, porque a verdade virá à tona um dia. A verdade não vai morrer. E eu não me importo com o que acontecer. Eu tive três ataques cardíacos, não tenho filhos. Então, se eles querem me processar ou me jogar na cadeia… é pior para a verdade.
PS do Viomundo: Quem serão as fontes não oficiais da CIA no Brasil?



sexta-feira, 8 de julho de 2016

TRABALHO E O CAPITALISMO ATUAL

Do Outras Palavras

– 4 DE JULHO DE 2016

Que dizer de uma sociedade que demanda cada vez menos músicos e poetas, enquanto multiplica legiões de advogados corporativos, contadores e operadores de telemarketing? Por que o capitalismo dominado pelas finanças produz este monstrengo?
Por David Graeber, no Vertigens | Tradução: Ivan LP 
Em 1930, John Maynard Keynes previu que até o final do século a tecnologia teria avançado o suficiente, para que países como a Grã-Bretanha ou os Estados Unidos implementassem a semana de trabalho de 15 horas. Existem muitas razões para acreditar que ele estava certo e no entanto isso não aconteceu. Ao contrário, a tecnologia foi sendo configurada de maneira a nos fazer trabalhar mais. No intuito de alcançar este objetivo, trabalhos efetivamente inúteis tiveram de ser criados. Exércitos de pessoas, na Europa e na América do Norte em particular, passaram vidas inteiras realizando tarefas que eles no fundo acreditavam serem desnecessárias. O dano moral e espiritual deste fato é profundo. É uma marca em nossa alma coletiva. No entanto, quase ninguém fala sobre isso.
Por que a utopia prometida por Keynes nunca se materializou? A resposta mais comum hoje é que ele não visualizou o aumento maciço do consumismo. Dada a escolha entre menos horas de trabalho ou mais brinquedos e prazeres, escolhemos os últimos. Isto pode parecer um bom conto moralista, mas um pouco de reflexão nos revela que não é bem assim. Sim, nós temos testemunhado a criação de uma variedade infinita de novos empregos e de novas indústrias desde os anos 1920, mas muito poucas não têm a ver com a produção e distribuição de sushi, iPhones ou tênis extravagantes.
Quais são esses novos postos de trabalho precisamente? Um relatório recente comparando o emprego nos Estados Unidos entre 1910 e 2000, nos dá uma boa ideia. No decorrer do último século, o número de “trabalhadores braçais” na indústria e no setor agrícola diminuiu drasticamente. Ao mesmo tempo, empregos como de gerentes, assistentes, vendedores e outros cresceram de um quarto para três quartos do emprego total. Em outras palavras, trabalhos produtivos foram largamente automatizados como previsto (ainda que você leve em consideração os trabalhadores da industria de maneira global, incluindo China e Índia, a porcentagem é muito menor do que costumava ser).
Mas em vez de permitir uma redução maciça da jornada de trabalho, para que a população mundial tivesse a oportunidade de correr atrás seus próprios projetos, prazeres, visões e ideias, temos visto um crescimento não só do setor de “serviços”, como do setor administrativo, incluindo a criação de novos ramos como o de serviços financeiros ou telemarketing, ou a expansão sem precedentes de setores como direito corporativo, administração da saúde e acadêmica, recursos humanos e relações públicas. Esses números ainda não são suficientes para refletir esse contingente de pessoas cujo trabalho é prover apoio administrativo, técnico ou de segurança, pois existe toda uma cadeia de ramos auxiliares (de petshops a pizzarias 24h) que só existem porque todo mundo está gastando muito tempo trabalhando nessa “nova” atividade.
Estes são os que proponho chamar de “empregos de merda.”
É como se alguém estivesse criando empregos inúteis apenas para nos manter trabalhando. Aqui precisamente reside o mistério. No capitalismo, isto é exatamente o que não deveria acontecer. Certamente foi o que aconteceu nos velhos e ineficientes estados socialistas da União Soviética – pois o emprego era considerado tanto um direito quanto um dever sagrado. O próprio sistema criou tantos empregos quanto considerava necessário (razão pela qual as lojas de departamento na União Soviética tinham até três funcionários para vender um pedaço de carne). Supostamente esse é um problema que a competição no mercado deveria corrigir. Pelo menos de acordo com a teoria econômica, a última coisa que uma empresa com fins lucrativos deveria fazer seria gastar dinheiro com trabalhadores que elas não precisam empregar. Ainda assim, de alguma forma isso acontece.
Se por um lado as corporações podem, de tempos em tempos, diminuir de tamanho drasticamente, os cortes e demissões normalmente recaem sobre aqueles que estão efetivamente se mexendo, ajustando, pensando e fazendo o negócio girar; através de uma estranha alquimia que ninguém pode explicar, o número de burocratas assalariados está se expandindo e um número cada vez maior de empregados encontra-se, não como os trabalhadores da União Soviética, é claro, trabalhando 40 ou 50 horas por semana, mas efetivamente 15 horas como Keynes havia previsto, desde que passem o resto da semana assistindo, organizando e participando de seminários motivacionais, atualizando seus perfis no Facebook, ou fazendo downloads de séries.
A resposta claramente não é econômica: é moral e política. A classe dominante descobriu que uma população feliz, produtiva e com tempo livre disponível é um perigo mortal (pense no que ocorreu quando esse sonho se tornou possível nos anos 1960). Por outro lado, o sentimento de que o trabalho é um valor moral em si, e de que qualquer um que não esteja disposto a se submeter a uma intensa disciplina de trabalho não merece nada, é extremamente conveniente.
Observando o crescimento aparentemente interminável das responsabilidades administrativas dos departamentos acadêmicos ingleses, eu tive uma possível visão do inferno. O inferno é um conjunto de indivíduos, que estão gastando a maior parte de seu tempo trabalhando em uma tarefa de que eles não gostam e em que não se dão bem. Digamos que foram contratados porque eram excelentes marceneiros, mas depois chegou-se à conclusão de que na verdade boa parte deles deveria passar a maior parte do tempo fritando peixe. Os empregados então se tornam obcecados e ressentidos ao pensar que alguns de seus colegas de trabalho possam estar gastando mais tempo fazendo armários e não compartilhando a justa responsabilidade de fritar peixes. Em pouco tempo, pilhas de peixe frito ruim se acumulam e isso é tudo o que eles realmente fazem.
Todos os argumentos que eu venha a usar vão suscitar imediatamente as seguintes objeções: “quem é você para dizer quais trabalhos são realmente ‘necessários’? O que é ‘necessário’ afinal? Você é um professor de antropologia, qual a ‘necessidade’ disso?” (leitores de tabloides certamente caracterizariam o meu trabalho como a definição de desperdício de gastos sociais). Em algum nível, isso obviamente é verdade. Não deve existir nenhuma métrica objetiva de valor social.
Eu não me atreveria a convencer alguém que acredita que está fazendo uma contribuição importante para o mundo do contrário. Sobre as pessoas que estão convencidas de que seus trabalhos não fazem sentido, o que podemos dizer? Não faz muito tempo, voltei a ter contato com um amigo do colégio que não via desde os doze anos. Fiquei encantado em descobrir que nesse tempo ele se tornou um grande poeta e vocalista de uma banda de indie rock. Eu já tinha ouvido algumas de suas músicas no rádio sem saber que o conhecia. Ele era obviamente brilhante, inovador, e seu trabalho tinha sem dúvida iluminado e melhorado a vida de muitas pessoas. No entanto, depois de dois álbuns que não tiveram sucesso, ele perdeu o contrato. Atormentado com dívidas e um filho recém-nascido, acabou “escolhendo a opção de muitos que não sabem o que fazer da vida: Direito”. Agora ele é um advogado corporativo que trabalha em uma firma proeminente em Nova York. Admitiu que seu trabalho é totalmente sem sentido, que não contribui em nada para o mundo e em sua própria avaliação não deveria existir.
Este fato estimula a propor inúmeras questões. Por exemplo: o que dizer de uma sociedade que parece ter uma demanda extremamente limitada por músicos-poetas, mas aparentemente uma demanda infinita por especialistas em leis corporativas? (Resposta: se 1% da população controla a maior parte da riqueza disponível, o que nós chamamos de “mercado” reflete o que eles — não qualquer outra pessoa — acha útil). Isso mostra que a maioria das pessoas que ocupam esses cargos, estão em última análise cientes disso. De fato, eu não me lembro de ter conhecido um advogado corporativo que não considere seu trabalho um trabalho de merda. O mesmo vale para quase todas as novas atividades citadas acima. Existe toda uma classe de assalariados que você irá encontrar em festas. Diga que você faz um trabalho interessante (um antropólogo, por exemplo). Eles vão evitar falar sobre seus próprios trabalhos. Ofereça alguns drinks e em pouco tempo eles farão discursos sobre como seus trabalhos são estúpidos e inúteis.
Temos aqui uma violência psicológica profunda. Como alguém pode sequer começar a falar sobre dignidade no trabalho quando se pensa que o emprego do outro não deveria existir? Como isso pode não criar uma profunda sensação de raiva e ressentimento? No entanto, essa é a genialidade um tanto peculiar da nossa sociedade, onde os que ditam as regras descobriram uma maneira, no caso dos fritadores de peixe, de se certificarem de que essa raiva fosse direcionada diretamente para aqueles que fazem o trabalho que importa. Por exemplo: em nossa sociedade parece existir uma regra geral onde quanto mais o seu trabalho beneficia outras pessoas, menos remuneração você receberá. De novo, uma medida objetiva é difícil de encontrar, mas para entender basta perguntar: o que aconteceria se toda essa classe de pessoas simplesmente desaparecesse? Diga o que quiser sobre enfermeiras, catadores de lixo, mecânicos, mas se eles desaparecessem do nada, os resultados seriam imediatamente catastróficos. Um mundo sem professores ou estivadores estaria em apuros, e mesmo um mundo sem escritores de ficção científica ou sem músicos seria certamente um mundo pior. Não está exatamente claro que tipo de problema a sociedade teria se todos os executivos-chefes, lobistas, pesquisadores de relações públicas, contadores, operadores de telemarketing, oficiais de justiça ou consultores jurídicos desaparecessem. (Muitos suspeitam que poderia melhorar muito). Tirando alguma exceções (como por exemplo médicos), a regra parece fazer sentido.
De maneira ainda mais perversa, parece existir um consenso de que é assim que as coisas devem ser. Esse é um dos pontos fortes do populismo de direita. Perceba como os tabloides mostram os dentes quando funcionários do metrô param Londres por conta de negociações salariais: eles param Londres porque seu ofícios são necessários, mas isso parece incomodar as pessoas. Isto é ainda mais claro nos Estados Unidos, onde os republicanos tiveram sucesso notável na tarefa de mobilizar o ressentimento contra os professores, trabalhadores da indústria automobilística (mas não contra os administradores das escolas ou gerentes das indústrias automobilísticas, que de fato parecem ser a fonte dos problemas) por causa de seus salários e benefícios supostamente elevados. Como se eles estivessem dizendo “mas vocês são professores! Ou fazem carros! Precisam arrumar empregos de verdade! Vocês esperam aposentadoria e planos de saúde de classe média?”
Se alguém tivesse inventado um regime de trabalho perfeitamente adequado à manutenção do poder do capital financeiro, dificilmente conseguiria obter um maior êxito. Os trabalhadores “reais” e produtivos são implacavelmente explorados. O restante está dividido entre uma porção aterrorizada (universalmente demonizada) de desempregados e uma outra que é basicamente paga para não fazer nada, em postos de trabalho criados para a identificação com as perspectivas e sensibilidades da classe dominante (gerentes, administradores, etc) — e particularmente com seus avatares financeiros — mas, ao mesmo tempo, promovem um ressentimento feroz contra aqueles que realizam um trabalho que tem inegavelmente um valor social. Obviamente, o sistema nunca foi conscientemente construído. Ele emergiu de quase um século de tentativa e erro, mas é a única explicação que encontrei, pela qual a despeito de nossas capacidades tecnológicas, nós não estamos trabalhado 3 ou 4 horas por dia.


David Graeber é professor de antropologia da London School of Economics. Tradução livre de Ivan LP. Artigo publicado originalmente na revista Strike.